• Ricardo Veras

Casos aumentam, mas internações por Covid-19 em Gramado seguem em baixa

Casos aumentam, mas internações por Covid-19 em Gramado seguem em baixa



Assim como ocorre em praticamente todas as cidades do país, os municípios acompanham um salto no número de pacientes em isolamento domiciliar causado pela infecção do coronavírus (Covid-19) e os casos suspeitos da doença. Em seu relatório, divulgado ontem (06), a Secretaria da Saúde de Gramado, aponta que, a cidade possui 113 moradores em tratamento e 321 suspeitos. Na contramão do aumento, o Hospital Arcanjo São Miguel (HASM) não possui nenhum paciente internado pela doença.

De acordo com os dados, entre a quarta-feira (05) e ontem (06), a cidade registrou a recuperação de 7 pacientes e 36 novos casos. Desde o início da pandemia, em fevereiro de 2020, Gramado soma 9.914 casos confirmados com 9.652 recuperados. Infelizmente, durante o mesmo período ocorreram 149 mortes, na sua grande maioria de idosos e pessoas com comorbidades. Apesar do baixo índice de internações, a Secretaria da Saúde reforça seu posicionamento de que, não é adequado deixar medidas protetivas de lado.

Para o secretário da Saúde, Jeferson Moschen, a vacinação tem contribuindo para que as internações não tivessem elevações. “É importante que os moradores de Gramado que por ventura ainda não tomaram a vacina contra a Covid-19 procurem imediatamente uma Unidade de Saúde. Nossos números estão muito bons, mas somente teremos tranquilidade quando todos estiverem com o esquema vacinal completo”, disse. “A vacina vai reduzir o seu risco de adoecer”, completou.

A vacina segue sendo aplicada na Unidade Básica de Saúde Carlos Altreiter Filho, na Várzea Grande, e na Unidade Básica de Saúde Dr. Érico Albrecht, no bairro Floresta, das 7h30 às 11h30 e das 13h às 15h. Gramado disponibiliza a primeira ou segunda doses para adolescentes de 12 a 17 anos, bem como para pessoas maiores de 18 anos. Além desses públicos, pessoas de todas as idades que tenham completado quatro meses após a segunda dose, incluindo os profissionais da saúde, devem comparecer para receber sua dose de reforço. Já as pessoas com imunossupressão devem receber a terceira dose do imunizante 28 dias após a segunda dose.

Crédito: Ascom/PMG